Os tempos modernos caracterizam-se por um estilo de vida mais exigente onde a prática de hábitos alimentares tradicionais tem vindo a ser substituída por um consumo exacerbado de produtos alimentares processados de baixo valor nutricional, associado a um menor tempo de preparação e confeção das refeições, simultaneamente com menor dedicação ao entorno familiar.

A gastronomia pertence ao domínio das ciências, da política e da cultura e pode constituir um veículo de promoção de hábitos alimentares e culturais protetores da saúde através da preservação de bons hábitos e tradições alimentares portuguesas de reconhecido valor cultural e enquanto elemento de proteção da saúde.

O consumo de alimentos confecionados de forma inadequada, ao nível da restauração coletiva e/ou particular, contribui para padrões alimentares desadequados e dietas hipercalóricas, ricas em gorduras saturadas e gorduras “trans”, açúcares simples, sal e baixo teor de fibras. Programas que promovam comportamentos alimentares reconhecidamente protetores da saúde, nomeadamente através da preservação da arte da cozinha e da culinária saudável contribuem para melhorar a qualidade e disponibilidade alimentar e nutricional através do ensino de métodos de preparação, confeção e apresentação mais adequados.

De modo a preservar as raízes e tradições alimentares saudáveis tradicionais com a promoção dos seus elementos mais saudáveis (como os hortofrutícolas, as cereais e o azeite), foi realizado em 2009-2010 o projeto Gastronomia Contra a Obesidade. Este projeto incluiu a disseminação da arte culinária e das suas práticas promotoras de saúde, contribuindo também para a preservação da cultura alimentar portuguesa, bem como para a adoção de hábitos alimentares saudáveis, promovendo os produtos nacionais. De igual forma, este projeto enquadrou iniciativas de aconselhamento alimentar e nutricional, ferramenta fundamental na promoção e divulgação das boas práticas e alimentares à comunidade.

O principal objetivo deste projeto foi desenvolver em todas as regiões do país programas de suporte e aconselhamento alimentar junto das autarquias locais, Centros de Saúde e escolas no sentido de proporcionar conhecimentos básicos de índole prática sobre os conhecimentos, escolha, preparação e confeção de alimentos saudáveis, tendo por base a riqueza gastronómica e reconhecidamente saudável da alimentação tradicional portuguesa. Desta forma, houve a promoção do consumo de hortofrutícolas, cereais e azeite enquanto ingredientes fundamentais da alimentação tradicional portuguesa, através de oficinas de nutrição de carácter prático e o desenvolvimento de ações práticas de cozinha (ateliers) orientadas por Chefs de renome dirigidas a crianças e adultos que promovam a inclusão na cozinha de hortofrutícolas, cereais e azeite, tendo por base a gastronomia tradicional portuguesa.

Com este projeto pretendeu-se atingir todas as Regiões de Saúde do País. Paralelamente às questões nutricionais foram desenvolvidos workshops sobre alimentação saudável, cursos de cozinha, disponibilização de material de apoio em formato digital (portal na internet) e em suporte de papel (livro) e em complemento a realização de uma conferência internacional.

 

OBTEVE-SE COM A EXECUÇÃO DESTE PROJETO

  • Competências individuais e familiares na prática de hábitos alimentares saudáveis, ao nível da preparação e confecção de alimentos, com a promoção da redução de riscos de saúde relacionados com uma alimentação inadequada;
  • Preservação de alguns dos hábitos tradicionais de alimentação saudável e da manutenção da Gastronomia Portuguesa como Património Nacional.

Livro do projeto

“Gastronomia Contra a Obesidade”
Poster apresentado no

3º Forum Nacional de Saúde, ACSS 2012